A transformação das relações de consumo no esporte e no entretenimento

Existem muitas famílias tecnológicas e inovadoras que retiraram o relacionamento com o consumidor do status quo

agosto 25, 2022
Bruna Botelho

CEO e fundadora da StadiumGO!

No artigo A economia esportiva do futuro, compartilhei três inovações que têm sido muito utilizadas nos segmentos de esporte e entretenimento. Porém, existem muitas famílias tecnológicas e inovadoras que retiraram o relacionamento com o consumidor do status quo

Nada será como antes, a disrupção tem trazido novas formas de lidar com as finanças, de se envolver com hobbies e interesses do público e como fazer isso e acompanhar a rápida evolução é um desafio constante para o mercado.

Minha análise é que existem muitas novidades circulando no universo digital, seja para aproximar o público das marcas ou de entidades esportivas, seleções e atletas, ou para garantir aumento de receita e fidelização. 

E ainda há muita coisa para surgir! 

A tokenização de negócios e experiências e o metaverso (estádios, camisas, vestuários esportivos, arquibancada virtual) vão tomando cada vez mais espaço e se tornando lugar comum entre os apaixonados por esporte e entretenimento. Você já usou algum deles? Se não, saiba que cada vez mais será comum observar essas possibilidades, que são, também, novas oportunidades de negócio.

A tokenização de negócios e experiências proporciona maior proximidade com o público e eleva as relações entre marca e consumidor. Entrar na era digital é encurtar caminho e manter-se próximo do seu público de interesse. Vale reforçar que não é porque é digital que as relações devem ser frias e despretensiosas. Promover experiências no mundo real e criar um clube de clientes fidelizados, passível de monetização, em que todos ganhem, é criar memórias e senso de pertencimento. Estes são aspectos importantes na relação com um torcedor, tão apaixonado por seu clube, por exemplo.

Partindo para os ambientes digitais, o Metaverso tem ocupado um espaço importante nesse cenário. Proporcionar ao torcedor ou ao fã da marca uma experiência dentro do Metaverso é um atrativo de grande diferencial. 

Para quem não é familiarizado com o termo, Metaverso é a união de internet e realidade aumentada ou virtual para criar um espaço virtual compartilhado. Nele as pessoas e as coisas reais são inseridas em um universo digital para que interajam economicamente ou socialmente sem as barreiras do espaço físico. Essa tecnologia que mescla os ambientes e replica a realidade já vem sendo utilizada em diferentes verticais. Podemos ver universidades, marcas e, claro, o esporte se valendo dessa inovação.

Clubes como Barcelona e Real Madrid estão de olho em iniciativas que proporcionem a fãs de todo o mundo conhecerem seus espaços, como estádios, vestiários e outros, de qualquer lugar, de forma digital. Isso faz com que o fã se aproxime da marca, se sinta participante de cada passo dado e aumente sua admiração e interesse. 

E no Metaverso é possível ampliar toda a vivência, como estádios e vestiários minimamente desenvolvidos no ambiente digital, camisas oficiais e exclusivas, arquibancada virtual e um tour que deixa qualquer fã admirado! Permitir esse acesso é essencial para manter as relações, mesmo que à distância.

E como unir isso à tokenização?

Para gerar essa relação com o torcedor, mergulhar na inovação é preciso desenvolver novos serviços, ações e iniciativas que se aproximem do público e transforme essa relação. Os NFTs exclusivos, por exemplo, sejam colecionáveis, de premiações ou investimento, atrelados como ativos dos avatares que representarão as pessoas nesse ciberespaço, serão importantíssimos para constituir uma entrega de funcionalidade econômica que une o universo real ao virtual.

Fazer da digitalização uma oportunidade é também fazer com que os torcedores e fãs das marcas ou clubes se tornem ativos, compartilhem com os amigos e se tornem embaixadores. Além de ser uma ferramenta moderna para reciclar e/ou angariar novo público consumidor. Afinal, há crianças de seis anos que já consomem e são familiarizadas com o Metaverso, utilizando o jogo Roblox, por exemplo, considerado o metaverso mais popular do mundo. 

Para finalizar a reflexão de hoje, o senso de pertencimento que iniciativas atreladas a tokenização, tecnologias em Blockchain e Metaverso, podem gerar investimento por parte deste público e nova captação de público, aumentando não só a reputação da marca e do clube, como também torná-los globais, alavancando o ganho de receitas.

E você, como tem criado a relação de pertencimento e digitalização de ações? No meu próximo artigo vou falar sobre Blockchain Games, o que são, como funcionam, quais seus risco e benefícios e porque devem estar no seu radar!