Com logística personalizada para uniformes, Cuiabá impulsiona lucro com venda de artigos oficiais

Sem contrato com fornecedor de material esportivo, Dourado compra uniformes a preço de custo para revender nas plataformas do clube

setembro 22, 2022

Na Série A do Brasileirão pela segunda temporada consecutiva, o Cuiabá conta com peculiaridades fora das quatro linhas. Comandando pela família Dresch, o clube não tem eleição e nem quadro de conselheiros.

Fundado em 2001, busca angariar novos torcedores no estado do Mato Grosso e fincar raízes no futebol nacional. No âmbito dos uniformes, apesar de usar camisas produzidas pela Umbro, não possui vínculo com nenhuma fornecedora de material esportivo.

Desde 2019, a agremiação mudou a gestão em relação aos artigos esportivos. Na contramão do mercado, passou a comprar os uniformes a preço de custo e revender na internet em lojas físicas espalhadas pelo estado. Ao adotar esta linha, conseguiu impulsionar os lucros no setor, já que não depende de intermediários na transação e possui o controle de todo o processo.

“Com esse contato direto com o consumidor final, a margem de lucro com os produtos é bem maior, além de ter controle sobre todos os produtos. Por ser um clube com torcedores concentrados no Mato Grosso, conseguimos fazer essa gestão com mais facilidade. Além disso, não temos contrato com nenhuma fornecedora de material esportivo, o que possibilita uma liberdade maior para a criação e comercialização dos produtos. Com isso, também desenvolvemos a “Dourado”, marca própria que faz diversos artigos oficiais”, disse Cristiano Dresch, vice-presidente da agremiação.

Citada pelo dirigente, essa autonomia vem rendendo frutos aos auriverde. Inspirado na soja, o Cuiabá anunciou durante a temporada uma camisa com referências ao agronegócio, principal fonte de renda da região. Nesta ação, os modelos foram assinados pela “Dourado”, marca própria da instituição.