Indústria

Parceiro médico, Sancta Maggiore simulará atendimento e resgate para o GP São Paulo de F1

A simulação contará com a participação de uma equipe de 20 médicos e paramédicos, além do Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo

Parceiro médico, Sancta Maggiore simulará atendimento e resgate para o GP São Paulo de F1

27 de outubro de 2022

2 minutos de Leitura

A rede hospitalar Sancta Maggiore, que integra o Grupo Prevent Senior, fará um simulado médico de atendimento e resgate de um piloto, na curva 1 do Autódromo de Interlagos, a partir das 9h do próximo sábado (29). O Grande Prêmio de São Paulo de Fórmula 1 será realizado de 11 a 13 de novembro.

A rede Sancta Maggiore, que tem contrato com a categoria até 2024, foi considerada pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA) o melhor sistema de atendimento de um circuito internacional da categoria.

“O objetivo da simulação é replicar experiências reais, com o objetivo de aumentar a qualidade e a segurança dos atendimentos. Na pista, vamos retirar o piloto de um cockpit, posicioná-lo na ambulância e, em seguida, para o helicóptero, que irá levá-lo ao Hospital Sancta Maggiore Dubai, localizado na zona sul da capital paulista”, disse Álvaro Razuk, médico e diretor-executivo da Prevent Senior, responsável pelo serviço no GP São Paulo de F1

A remoção do piloto será feita pelo helicóptero UTI Airbus EC135, fabricado na Alemanha para a Air Jet Táxi Aéreo. O aparelho, construído sob encomenda a um custo de US$ 5,1 milhões, atinge uma velocidade de até 287km/h. Com isso, o percurso de 13km até o hospital é feito em três minutos.

A simulação contará com a participação de uma equipe formada por 20 médicos e paramédicos, além de homens do Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo.

“Nossa finalidade é apontar para perigos latentes que não perceberíamos sem o simulado. O próprio piloto que será removido é um médico, e todos os procedimentos vão ser avaliados. Na chegada ao hospital, o piloto será encaminhado para tomografia e sala de emergência. Vamos testar nossos fluxos, inclusive dentro do centro médico hospitalar”, finalizou Razuk.

Compartilhe