Indústria

Uefa anuncia que terá Liga das Nações Feminina em 2023

As seleções nacionais serão divididas em três divisões e haverá um Final Four

Uefa anuncia que terá Liga das Nações Feminina em 2023

03 de novembro de 2022

2 minutos de Leitura

A Uefa fará a Liga das Nações Feminina em 2023. Ela terá o mesmo modelo da competição masculina e irá classificar os três representantes da Europa para a disputa dos Jogos Olímpicos a partir de Paris 2024.

As seleções nacionais serão divididas em três divisões e haverá um Final Four. A disputa será realizada de maneira concomitante com as eliminatórias europeias para a Copa do Mundo.

“Chegou o momento de desenvolver ainda mais o futebol feminino de seleções nacionais. Construímos um sistema aberto, competitivo e contínuo em que cada jogo importa, um verdadeiro reflexo do modelo desportivo europeu. Estou convencido de que esse formato ajudará todas as federações nacionais europeias e manterá vivo o sonho de se classificar para um grande torneio internacional”, disse Aleksander Ceferin, presidente da Uefa.

As oito melhores equipes da Liga A se classificarão diretamente para a Euro 2025. As sete vagas restantes serão decididas pela fase de qualificação europeia com base em seus rankings da Liga das Nações. As 16 equipes da Liga A serão decididas pelo ranking de seleções femininas da Uefa.

As finais da Liga das Nações servirão como classificação para os Jogos Olímpicos. As finalistas da competição se juntam à anfitriã França como as representantes europeias nos Jogos de Paris 2024. Se a França chegar à final da Liga das Nações, o terceiro colocado se classificará para a Olimpíada.

“Com este novo sistema, todos os jogos contam, garantindo duelos mais competitivos e, assim, um maior interesse esportivo e comercial no futebol de seleções nacionais. O novo sistema permite que vários objetivos sejam alcançados, adicionando o título da Liga das Nações e a classificação para a Olimpíada aos principais objetivos da qualificação para a Eurocopa ou a Copa do Mundo Feminina da Fifa”, destacou a UEFA, em comunicado.

Compartilhe