Inovações tecnológicas e econômicas da Copa do Mundo do Qatar

Como a tecnologia é evolutiva, toda edição de Mundial também apresenta novidades

dezembro 2, 2022
Bruna Botelho

CEO e fundadora da StadiumGO!

O futebol é o esporte mais popular do mundo e isso todos já sabemos. Assim como já é sabido o impacto gigantesco tanto econômico quanto social e tecnológico que uma Copa do Mundo exerce. 32 países disputam o título de campeão mundial durante um mês e vive-se euforia do fã, celebração ao patriotismo, impulsionamento econômico no varejo, além do aumento de debates sobre direitos humanos.

Mais de 4 bilhões de espectadores são impactados com informações culturais de diversas nacionalidades em um espetáculo. Como a tecnologia é evolutiva, toda Copa também apresenta novidades. Vou trazer apenas alguns destaques, pois se tem algo que o Qatar apresenta neste Mundial, é inovação.

Tecnologia a favor da economia

Internet: Esta é a primeira Copa do Mundo com cobertura 5G. Isso certamente diminui o gap de trânsito de informações, dá mais agilidade de comunicação e maior conforto ao buscar por informações e serviços de mobilidade urbana via aplicativos. Além disso, é possível acompanhar a performance de NFTs e criptoativos que foram lançados e negociados durante o período.

Fantokens: Os criptoativos de engajamento que aproximam torcedores de equipes também chegaram a algumas seleções nesta Copa. Um grande hype de especulação financeira, os tokens tiveram importantes parcerias para lançamentos diferenciados: Bitci e Chiliz, sendo: Argentina (ARG) e Portugal (POR) por Chiliz; Espanha (SNFT) e Brasil (BFT), por  – por Bitci. A expectativa do mercado crypto, era que esses ativos funcionassem como uma moeda de apostas durante a Copa e que estes ativos aumentassem seus preços de 80% a +170%, conforme as seleções avançam no campeonato.

No entanto, como tudo que pode subir, também pode cair, após a perda de algumas destas seleções em jogos, seus fantokens também sofreram quedas. Como é o caso da Argentina que teve desvalorização de 27% do ARG. Outro problema recente com os fantokens da Copa foi o rompimento do contrato de 3 anos, entre a Seleção brasileira e a Bitci, por inadimplência da empresa da Turquia com a CBF, como divulgado aqui pelo Marketing Esportivo, em 22 de Novembro.

NFT: A FIFA lançou este ano a plataforma FIFA+ Collect, com NFTs que contém momentos marcantes e históricos da Copa do Mundo, com valores de US$ 4,99 (R$ 25,87 cotação de hoje). Os vídeos, fotos e áudios que compõem a entrega de valor destes NFTs são escolhidos de forma aleatória e registrados nos NFTs no momento de sua compra.

E na onda de lançamentos, patrocinadores não ficaram de fora. A patrocinadora oficial da FIFA Budweiser lançou a coleção “Budverse NFT For FIFA World Cup” que permite aos titulares escolherem uma seleção para acompanhar os resultados de placar de full time e sorteará uma viagem às finais da Copa. A operadora Claro, como apoiadora regional, lançou em novembro uma coleção de NFTs da Copa para seus clientes. Estas marcas certamente saíram na frente ao promover criptoativos especiais e exclusivos para esse período tão marcante para os fãs de futebol.

Os jogadores também lançaram suas coleções e o destaque foram os atletas brasileiros. Começando por Richarlison. Ele lançou uma coleção para comemorar sua escalação para a Seleção e já havia lançado uma outra anteriormente, em Junho/2022. Neymar lançou seu primeiro projeto de NFT intitulado BestMode, uma coleção para distribuição de NFTs JungleVIBES com cobrança apenas da taxa de gás da emissão do colecionável, e a coleção HUMAN com preços a partir de 0,25 ETH (aproximadamente R$ 1.653,69 na cotação de hoje).

Ingressos: Deu errado! Seguindo o princípio de que “só erra o pênalti quem faz o chute”, a FIFA em 2022 apostou em ter seus ingressos 100% digitais. No entanto, no primeiro dia oficial de evento (21/11), muitos torcedores tiveram imprevistos envolvendo o app disponibilizado. Foi necessário a impressão dos ingressos no local para a liberação da entrada do público. 

Tecnologias a favor do torcedor

Transmissão: a cobertura ao vivo da Copa do Mundo do Qatar aconteceu em terra, ar, mar e internet! Em cruzeiros da Cunard Cruise Line, Carnival Cruise Line e Norwegian Cruise Line, além dos voos das companhias American Airlines, Emirates, Etihad Airways e Lufthansa foi possível assistir aos jogos ao vivo pelo canal Sport24.

Pela internet, a cobertura ganhou destaque no pioneirismo brasileiro com a transmissão dos jogos acontecendo fora do arcabouço de uma emissora de TV. Em parceria com a LiveMode e o YouTube, as partidas são disponibilizadas no canal CazéTV , capitaneado pelo jornalista Casimiro Miguel. Ele conta com mais de 3,5 milhões de inscritos, até o momento desta publicação, e bateu recorde mundial de audiência de streaming ao vivo do YouTube atingindo 4,2 milhões de visualizações simultaneamente no jogo Brasil e Suíça. O fato ultrapassou o lançamento do foguete da SpaceX, de Elon Musk. A live também foi exibida na Twitch, onde o canal do Casimiro teve em média 300 mil pessoas on-line ao mesmo tempo.

A Rede Globo investiu em câmeras sem fio compactas equipadas com 5G para melhorar as imagens e também transmitir em 4K para a GloboPlay e demais plataformas em que atua, revelando, inclusive, que o SporTV deve disponibilizar o sinal 4K dos jogos do campeonato para todas as plataformas.

Segurança: uma das grandes problemáticas em eventos globais é a segurança do público e a prevenção da ação de cambistas ilegais.  Pensando em promover as melhores e mais ágeis medidas no controle de multidões, o Qatar, investiu na instalação de mais de 15.000 câmeras com algoritmos que fazem rastreio dos movimentos de pessoas nos estádios e arredores com reconhecimento facial que também indentificam cambio ilegal de ingressos.  Além disso, o Ministério do Interior do Catar fechou uma parceria com a empresa americana Fortem Technologies para usar drones que também são equipados com cameras de vigilância, de acordo com reportagem do jornal The Washington Post.

Tecnologias a favor do jogo

Bola: Em toda Copa, a bola é uma personagem central. Batizada com nome próprio e que, geralmente remete a cultural no país anfitrião, se torna um motivo contínuo de inovação de melhoria de performance em campo. A Ahl Rihla, bola oficial da Copa 2022, é considerada a mais rápida já produzida. Ela possui o Adidas Suspension System, sensor de movimento que auxilia a arbitragem VAR (Árbitros Assistentes de Vídeo), é recarregável por indução (sem fio) e capaz de rastrear cada toque a uma taxa de 500 vezes por segundo.

Performance: Algumas seleções estão utilizando camisas com micro sensores de leitura de temperatura, movimento e frequência cardíaca dos atletas nos treinos. O objetivo é se antecipar às medidas de adaptabilidade física do jogador nas altas temperaturas da região. E para acompanhar o desempenho dos atletas em jogo, pela primeira vez em uma Copa do Mundo os jogadores terão acesso às informações de suas performances em um app dedicado: o FIFA Player. Serão disponibilizados relatórios de dezenas de analistas de desempenho sobre lances bem e mal sucedidos, posição de jogo, recorrência de partidas, distâncias percorridas, média e velocidade máxima atingida.

Tecnologia a favor da sustentabilidade e conforto

Estádios: Uma das inovações mais comentadas é o estádio “974”. O número representa o DDI do Qatar e é a quantidade de contêineres reaproveitados para a obra que comporta 40 mil torcedores. Por ser o primeiro estádio desmontável na história de uma Copa, também é conhecido como estádio Lego.

O projeto é do estúdio de arquitetura espanhol Fenwick Iribarren e tem como pilar principal a sustentabilidade. Localizado no porto de Doha, à beira d’água, foi pensado para receber ventilação natural e evitar a necessidade de ar condicionado. Nos outros sete estádios construídos para a competição, a solução inovadora de refrigeração foi um sistema de ar condicionado combinando isolamento e resfriamento direcionado para impactar apenas locais onde há pessoas. Assim, diminui-se o consumo energético nos demais ambientes do estádio e o impacto ambiental.