Indústria

Nike fatura US$ 26 bilhões no primeiro semestre fiscal

Por categoria, liderança da frente de calçados, que representa 67% do negócio da gigante americana

Nike fatura US$ 26 bilhões no primeiro semestre fiscal

21 de dezembro de 2022

2 minutos de Leitura

No primeiro semestre fiscal de 2022, período que vai de 30 de maio a 30 de novembro, a Nike faturou US$ 26 bilhões, incremento de 10% em relação ao mesmo período do ano anterior. Por outro lado, uma redução do lucro em 12.8%, para US$ 2,8 bilhões, ainda reflexo da pandemia.

Segundo a Nike, destaque para o mercado chinês, onde as vendas caíram de 16% no primeiro trimestre fiscal para apenas 4% no segundo. Por lá, entre junho e agosto, as receitas atingiram quase US$ 3.5 bilhões.

Já entre setembro e novembro, os números foram alavancados. No período, a Nike faturou US$ 13,3 bilhões, 17% a mais que no ano anterior e melhor registro para este momento do ano em toda a década. O crescimento no volume de negócios foi alcançado graças a um aumento de apenas 8% nos custos de atração de demanda.

“Os resultados da Nike neste último trimestre são a prova da nossa profunda conexão com o consumidor. O crescimento durante esse período foi liderado pelo nosso negócio digital (aumento de 25%) e pela força da nossa marca”, disse John Donahoe, CEO da empresa.

“Continuamos focados no que podemos controlar, e estamos no caminho certo para atingir nossas metas operacionais e financeiras”, acrescentou Matthew Friend, vice-presidente executivo e diretor financeiro da marca.

Na Europa, África e Oriente Médio (Emea), além da Ásia e na América Latina, os volumes de negócios tiveram crescimento médio de 25% em cada uma.

Já a América do Norte segue como principal mercado da Nike: volume de negócios de US$ 11.3 bilhões. A região concentra 50% dos negócios do grupo, com uma alta no faturamento de 21% no atual exercício.

Por categoria, liderança dos tênis, que representam 67% do negócio do swoosh, com um aumento de 23% nas receitas, atingindo US$ 16,6 bilhões no primeiro semestre fiscal. Roupas esportivas e acessórios completam o TOP 3.

Compartilhe