Indústria

CBF se aproxima de Governo Federal para sediar Copa do Mundo Feminina

Com a troca do Governo Federal, a Confederação Brasileira de Futebol avançou nas negociações para ter o Mundial no país

CBF se aproxima de Governo Federal para sediar Copa do Mundo Feminina

26 de abril de 2023

2 minutos de Leitura

O Brasil é um dos candidatos a receber a próxima Copa do Mundo de Futebol Feminino. Com a troca do Governo Federal, a Confederação Brasileira de Futebol avançou nas negociações para ter o Mundial no país, garantiu a Supervisora de Seleções Femininas da CBF, Ana Lorena Marche.

“A CBF está com o Governo Federal para a ter a Copa do Mundo. Temos avançado a agenda com a nova Ministra do Esporte, Ana Moser. Nós temos como foco ficar entre os quatro primeiros na Copa do Mundo deste ano para mostrar nosso profissionalismo, mostrar o que podemos fazer com o futebol feminino”, afirmou Ana Lorena.

Na disputa, além do nosso país, estão a África do Sul, a dupla Estados Unidos e México, e a candidatura tripla de Alemanha, Bélgica e Holanda. A última das candidaturas foi dos EUA e México. O US Soccer e a Federación Mexicana de Fútbol (FMF) desejam aproveitar a atmosfera de 2026, quando serão sedes da Copa do Mundo Masculina, que também contará com o Canadá.

Vale lembrar que os Estados Unidos já sediaram o torneio em duas ocasiões (1999 e 2003). Já o México nunca foi anfitrião da versão feminina.

No fim do mês passado, a candidatura brasileira recebeu o apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. À ocasião, ele assinou um decreto de incentivo ao futebol feminino no Brasil. Elaborado pelo Ministério do Esporte, o documento prevê a adoção de uma série de iniciativas que poderão alterar de maneira significativa a realidade da modalidade no país, especialmente na esfera profissional.

“Nós já mostramos que é possível sediar uma Copa do Mundo com a edição masculina. Mas esse é uma oportunidade de falar além do futebol. De fortalecer o futebol das mulheres, mas também as mulheres em todos os esportes. Nós, mulheres, precisamos disso. Precisamos também para repensar nossa sociedade, o papel da mulher nessa sociedade”, finalizou.

Compartilhe