Indústria

Receitas da LaLiga crescem 22% e batem a marca de € 4.84 bilhões em 2021/2022

Reabertura dos estádios após a pandemia contribuiu para elevar o faturamento em comparação a 2020/2021

Receitas da LaLiga crescem 22% e batem a marca de € 4.84 bilhões em 2021/2022

06 de maio de 2023

2 minutos de Leitura

A LaLiga detalhou o seu balanço financeiro referente a temporada 2021/2022. A reabertura dos estádios após o fim da fase crítica da pandemia de Covid-19 ajudou a elevar o faturamento dos clubes.

No período, um total de € 4,84 bilhões, incremento de 22% em comparação a 2020/2021, período em que os estádios permaneceram fechados ou não operaram em sua capacidade máxima por conta das medidas de prevenção ao coronavírus.

O faturamento da última temporada, no entanto, ficou abaixo dos rendimentos obtidos nos períodos de 2018/2019 e 2019/2020, que foram, respectivamente, de € 4,88 bilhões e € 5,07 bilhões.

Entre as cinco principais ligas europeias, os clubes espanhóis foram os que registraram as menores perdas agregadas na temporada 2021/2022. As receitas obtidas com os jogos cresceram 123%, enquanto as comerciais aumentaram 2.9%. Já o prejuízo registrado pelos clubes da LaLiga na temporada foi de € 140.1 milhões.

Como comparação, na temporada 2021/2022, a Bundesliga registrou um prejuízo de € 205 milhões, enquanto a Liga de Futebol Profissional da França (LFP) perdeu € 601 milhões. Premier League e EFL Championship (Inglaterra) tiveram perdas de € 1 bilhão no mesmo período. Por fim, na Serie A e na Serie B da Itália o déficit foi de de € 1.15 bilhão.

E o futuro?

A LaLiga destacou que trabalha com a expectativa de retornar à primeira posição em termos relativos nas “próximas temporadas”, quando a atividade pré-pandêmica no mercado de transferência de jogadores retornar na Espanha.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) da LaLiga ficou positivo em 2021/2022, tanto antes (€ 23,9 milhões) quanto depois das transferências de jogadores (€ 280,8 milhões).

O fluxo de caixa operacional orgânico agregado, antes do investimento líquido em infraestrutura, tornou-se positivo pela primeira vez desde a temporada 2018/2019, alcançando € 104,3 milhões. Com isso, o endividamento líquido mal permaneceu estável em relação ao período anterior.

Compartilhe