Indústria

Classificação à final da Copa Sul-Americana garante mais R$ 10 milhões ao caixa do Fortaleza

Clube, que pode chegar a R$ 42 milhões em premiação, caso conquiste o título, mira faturamento recorde

Classificação à final da Copa Sul-Americana garante mais R$ 10 milhões ao caixa do Fortaleza
Foto: Matheus Amorim / FEC

04 de outubro de 2023

3 minutos de Leitura

A classificação inédita do Fortaleza para a final da Copa Sul-Americana, após vencer o Corinthians diante de um Castelão lotado, rendeu ao clube uma noite histórica.

Com cerca de 60,4 mil torcedores acompanhando a partida, o Leão ultrapassou a marca de 1 milhão de torcedores no estádio em 2023, além de quebrar novamente o recorde de público entre os brasileiros na atual edição da competição – antes registrado no jogo contra o América-MG pelas quartas de final, com quase 57 mil torcedores. Além disso, o público registrado na última terça-feira (03) também foi o maior do futebol cearense no ano, ao superar os quase 60 mil presentes na final da Copa do Nordeste entre Ceará e Sport.

Com a vaga, o Fortaleza chega pela primeira vez a uma final internacional em sua história, e garante ao menos mais R$ 10 milhões em premiação na Sul-Americana. Nesse quesito, o clube já soma cerca de R$ 27 milhões considerando a premiação já alcançada ao longo da competição e, caso conquiste o título, o valor poderá aumentar para R$ 42 milhões.

No momento, o Tricolor também amplia a marca estabelecida com o posto de equipe nordestina que mais longe chegou na Sul-Americana. Diante da possibilidade de alcançar o título inédito, o time mira expandir a sequência de conquistas estabelecidas após a reestruturação que o clube passou durante os últimos anos e que culminou em títulos como os da Série B (2018), Copa do Nordeste (2019 e 2022), e o pentacampeonato cearense (2019 – 2023).

“A classificação representa, para nós, a consolidação de um trabalho que vem de muitos anos. Diria que não é uma conquista apenas deste ano, mas sim com tudo o que vem sendo feito dentro do clube em diversas áreas: diretoria, comissão técnica, atletas, funcionários e muitos outros. Para nós, é motivo de honra e alegria de, em certa medida, também poder representar o futebol nordestino”, disse o presidente do Fortaleza, Marcelo Paz.

Peça-chave neste projeto do Fortaleza, o mandatário assumiu a gestão no final de 2017, quando o Leão ainda disputava a Série C. Neste intervalo de tempo, o clube ganhou maior relevância nos cenário nacional e internacional, e conseguiu sair de um faturamento anual de R$ 24 milhões para R$ 267 milhões no ano passado, que foi a maior receita registrada por uma equipe de futebol do nordeste na história. Já para este ano, a expectativa é chegar próximos dos R$ 300 milhões.

“Compramos o nosso primeiro jogador quando subimos para a série B e sabíamos que haveria uma cota de televisão para um investimento um pouco maior. Na época, adquiríamos apenas atletas por empréstimo ou em fim de contrato. Quando fomos para a Série A, em 2019, também trouxemos muitos jogadores por empréstimo, com uma aquisição pequena. Já em 2020 contratamos o David e foi mudando como processo. Fomos entendendo o crescimento do clube, junto com o sócio-torcedor, a parte comercial e o patrocínio. Fomos nos adaptando, mas sem se deslumbrar. Digo muito que o camisa 10 do Fortaleza é o salário em dia. Isso também atrai e retém talentos”, conclui Paz.

Compartilhe