Aposta Esportiva

Seis em cada dez brasileiros realizaram apostas on-line em um período de seis meses

“Jogo responsável: Perspectivas e tendências de consumo na América Latina 2022” é o segundo relatório sobre o tema a ser divulgado pela Playtech

Seis em cada dez brasileiros realizaram apostas on-line em um período de seis meses

02 de outubro de 2023

3 minutos de Leitura

A Playtech divulgou um levantamento sobre o setor de apostas que mostra que 60% dos brasileiros afirmaram ter apostado nos últimos seis meses que antecederam a pesquisa.

No “Jogo responsável: Perspectivas e tendências de consumo na América Latina 2022”, foram ouvidas 2.500 pessoas, entre Brasil, Argentina, Colômbia, Peru e Chile. Os dados são relativos a 2022, e as perguntas foram concebidas para examinar questões relacionadas ao jogo responsável.

Entre os mercados analisados, o Peru foi o que apresentou maior volume de apostadores: 82% dos entrevistados afirmaram ter feito apostas on-line nos seis meses anteriores à pesquisa. Na segunda colocação está a Colômbia, com um percentual de 75% de apostadores. O TOP 5 fica completo com Chile (68%), Brasil (60%) e Argentina (53%).

Como esperado, o futebol é o tema que mais mobiliza os apostadores nos mercados analisados pela Playtech. Quando os entrevistados foram questionados sobre a aposta mais incomum que já realizaram, o tênis foi a opção mais citada na maioria dos países. A exceção foi justamente o Brasil, onde a sinuca, com 35%, e o Big Brother Brasil (BBB), com 29%, aparecem com destaque na preferência.

Jogo responsável

Entre os mercados analisados pela Playtech, o Brasil foi aquele em que menos entrevistados se declararam jogadores responsáveis, que apostam apenas por diversão, cerca de 46%, contra Argentina (65%), Chile (61%), Peru (61%) e Colômbia (56%).

No entanto, o Brasil obteve o maior percentual entre os que responderam que as apostas esportivas não afetam suas vidas, com 45%, contra 37% na Colômbia, 33% no Peru, 30% no Chile e 28% na Argentina.

Vale lembrar que, atualmente, as apostas esportivas são uma atividade ilegal no Chile, motivando até mesmo o fim de diversos patrocínios no futebol local.

Por fim, a pesquisa mostra que os avisos sobre níveis de jogos impactam os apostadores nos mercados analisados. No Brasil, 52% dos jogadores afirmaram já ter recebido o alerta, sendo que 38% admitiram ter feito uma pausa e desacelerado após o impacto da mensagem. Outros 10% pararam de apostar imediatamente, enquanto 16% alegam não ter certeza sobre os impactos, mas acreditam que o aviso teve algum efeito.

Medidas do governo

Apenas 10% dos entrevistados, no universo geral da pesquisa, acreditam que os governos estão fazendo o suficiente para reduzir os riscos potenciais relacionados ao jogo.

O índice maior é no Brasil, onde 14% concordam com essa afirmação.

Compartilhe