Indústria

Real Betis instala sala sensorial para pessoas com autismo em seu estádio

Os avanços feitos pelo clube espanhol ajudam a tornar cada partida em casa mais inclusiva

Real Betis instala sala sensorial para pessoas com autismo em seu estádio

15 de janeiro de 2024

3 minutos de Leitura

Desde que o Real Betis criou seu Departamento de Deficiência em 2016, o clube tem dedicado recursos significativos para melhorar a experiência dos torcedores que precisam de um pouco mais de assistência para aproveitar o futebol.

Os avanços feitos pelo clube ajudam a tornar cada partida em casa mais inclusiva, e o Betis procura destacar esse progresso a cada temporada com um “Jogo para Deficiência”, geralmente realizado próximo ao Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, em 3 de dezembro.

Na temporada passada, o clube sediou o que foi chamado de “o jogo mais inclusivo do mundo”, quando enfrentou o Real Valladolid e quebrou o recorde mundial do maior número de torcedores com diversidade funcional nas arquibancadas, com 1.740 pessoas.

Contra a Las Palmas nesta temporada, o clube destacou ainda mais seus esforços de inclusividade, mostrando que o Betis é o primeiro clube na Espanha a ter uma sala sensorial no estádio para ajudar pessoas com autismo a aproveitarem o jogo de maneira confortável.

“As crianças que estiveram presentes na inauguração desta sala receberam essa iniciativa com entusiasmo. Elas puderam brincar e aproveitar o jogo sem o ruído externo que às vezes pode ser ameaçador, irritante ou exaustivo. Desde o lançamento, recebemos muitos pedidos de fãs que querem que seus filhos desfrutem desse serviço. Também recebemos mensagens de agradecimento e notamos o orgulho de nossos fãs nas redes sociais e na cobertura midiática”, destacou o clube.

O Betis também disponibilizou kits sensoriais gratuitos para esses fãs, aumentou a acessibilidade para usuários de cadeira de rodas, lançou um projeto de descrição de áudio e muito mais. E, no dia da partida contra a Las Palmas, houve um show de dança flamenca inclusivo antes do jogo, uma interpretação em larga escala da língua de sinais do hino e os jogadores vestiram camisas com seus números exibidos como no teste de Ishihara, um teste usado para detectar deficiências de cor vermelho-verde.

“O principal objetivo é tornar o futebol um evento 100% inclusivo. Não queremos que nenhum torcedor fique em casa e deixe de aproveitar assistir à equipe no Estádio Benito Villamarín devido a barreiras como o acesso ao estádio ou deficiências como o autismo. Por isso, temos um departamento de deficiência há oito temporadas, para atender a todos os fãs que precisam de nós e facilitar para eles aproveitarem nossos jogos”, acrescentou.

Compartilhe