Patrocínio

Conselho do Corinthians analisará contrato do patrocinador máster

A investigação pede que o presidente Augusto Melo conceda informações adicionais sobre o acordo

Conselho do Corinthians analisará contrato do patrocinador máster
Foto: Jozzu/Agência Corinthians

14 de maio de 2024

2 minutos de Leitura

A Comissão de Justiça do Conselho Deliberativo do Corinthians, presidido por Romeu Tuma Jr., acolheu de forma parcial o pedido do grupo de oposição para investigar o contrato de patrocínio máster do clube com a empresa de apostas VaideBet.

Segundo o ge, Tuma pediu na investigação que o presidente Augusto Melo conceda informações adicionais sobre o acordo, como solicitado na semana anterior. A reunião será marcada após a criação do relatório feito pela Comissão de Justiça.

Tuma também demonstrou a insatisfação referente a crise causada por discussões midiáticas sobre o contrato com a patrocinadora máster entre Augusto Melo e Rubens Gomes, o Rubão, que deixou o cargo de diretor de futebol.

O pagamento de R$ 25,2 milhões em comissões para a empresa Rede Social Media Design na intermediação do acordo com a VaideBet passa a ser o grande questionamento. Esse valor corresponde a 7% dos R$ 360 milhões que o Corinthians receberá pelos três anos do patrocínio.

Ainda segundo ge, a empresa intermediadora pertence a Alex Fernando André, conhecido como Alex Cassundé e fez parte da equipe de comunicação de Augusto Melo durante a campanha eleitoral do Corinthians no ano passado, indicado por Sergio Moura, com quem tinha uma boa relação comercial.

“Eu conhecia o Alex do mercado. Precisávamos montar um grupo digital, e eu o convidei. Conheço muita gente do mercado, e precisávamos de alguém com experiência em campanhas políticas. Achamos que ele tinha o perfil ideal para nos auxiliar na campanha”, comentou Sergio Moura ao ge.

O grupo da oposição alega que o presidente informou que o contrato foi feito diretamente por ele e pelo diretor administrativo Marcelo Mariano dos Santos. Com isso, não haveria necessidade de um intermediário.

Com tudo, os conselheiros também desejam saber por que o clube fechou a parceria antes de rescindir o contrato com a Pixbet, a antiga patrocinadora. Para rescindir o acordo, o clube teria que pagar R$ 44 milhões referente a multa e devolução de luvas.

Compartilhe