Patrocínio

LBF e Wilson renovam parceria e ‘rosinha’ segue como bola oficial da LBF CAIXA

A parceria prevê o fornecimento de bolas às dez equipes que disputarão o nacional

7 fev, 2019

A Liga de Basquete Feminino e Wilson anunciaram esta semana a renovação da parceria. Para a próxima edição da LBF CAIXA, a ‘rosinha’ continuará sendo a bola oficial da competição, que vai subir pela primeira vez em 8 de março.

A parceria prevê o fornecimento de bolas às dez equipes que disputarão o nacional. Fabricada com a mesma tecnologia utilizada pela NCAA (National Colegiate Athletic Association), principal liga de basquete universitário do mundo, a NCAA Gameball é feita de poliuretano, material de alto desempenho. Possui uma capa de absorção de umidade concebida especialmente para jogos em ambientes fechados, propiciando toque suave e aderência ideal às atletas.

“A parceria com a Wilson é daquelas que deixa todo mundo feliz. De um lado, as atletas, que terão uma bola de alta qualidade reconhecida internacionalmente. Do outro, a torcida que pediu a continuidade da Rosinha, além dos clubes que receberão bolas para treino e jogo sem qualquer custo”, disse o presidente da LBF, Ricardo Molina Dias.

“Nós, na Wilson, estamos muito contentes por mais um ano com esta parceria, acreditamos que permitirá fortalecer nossa ideia de fomentar e reforçar o Basquete dentro do País. Nós estamos trabalhando e investindo há muito tempo, porque estamos convencidos que o Brasil tem muito potencial para desenvolver grandes jogadoras”, destacou Andres Alzugaray, presidente da Wilson no Brasil.

Armadora da Uninassau e líder em assistências por duas temporadas da LBF CAIXA, a cubana Ineidis Casanova aprovou o modelo e seu design.

“Gosto dessa bola porque o tamanho é ótimo e o peso também. A textura é muito boa para segurar nas mãos. E o principal para mim é a cor rosa!”, disse.

Além da NCAA Gameball, a Wilson JET também foi utilizada na última temporada, como a moneyball do Torneio de Três Pontos do Jogo das Estrelas – a bola de cor diferente que vale o dobro de pontos no desafio, vencido em 2018 por Tassia, então na Uninassau e que hoje defende o Blumenau.