Streaming

Clubes da Premier League ‘perdem’ £ 1 milhão em patrocínio por pirataria

Até aqui, equipes nunca foram capazes de quantificar a exposição de mídia a partir do streaming ilegal

12 jul, 2019

Os clubes da Premier League estão perdendo £ 1 milhão em patrocínio em todos os jogos. Motivo? A pirataria. O número, publicado pelo britânico SportsPro, é fruto de um estudo feito pela MUSO, uma autoridade mundial em pirataria digital, em parceria com a empresa de avaliação de patrocínio GumGum Sports.

Para chegar ao resultado, foi feita uma análise de oito partidas durante a temporada 2018/19, que atraiu em média uma audiência ilegal de 7.1 milhões de fãs em 149 países. O valor de £ 1 milhão por partida é baseado no que o público total legal e ilegal significaria para a renda do aporte. Um total de sete espaços publicitários foram analisadas, com maior peso para as placas de publicidade e o patrocínio máster. Antes de calcular um valor de mídia para cada país, a GumGum analisou a exposição na tela e a duração de cada patrocínio exposto.

“Clubes e patrocinadores nunca foram capazes de quantificar a exposição da mídia a partir de streaming não autorizado, o que, ao longo dos anos, equivale a bilhões de dólares em valor não realizado. Agora, temos um conjunto de dados exclusivo que dá uma vantagem aos patrocinadores da marca, além de permitir que os clubes demonstrem melhor o valor que estão promovendo em nome dos parceiros corporativos”, disse Brian Kim, gerente geral da GumGum Sports.

O estudo descobriu também que o maior público pirata concentra-se na China, onde mais de um milhão de fãs assistiram aos jogos em transmissões ilegais. Vietnã, Quênia, Índia e Nigéria completam este negativo TOP 5.

“O público de pirataria tem sido ignorado há muito tempo por não oferecer nenhum valor real aos detentores de direitos e distribuidores, mas a realidade é que essas grandes audiências ainda veem os mesmos patrocinadores de camisetas e comerciais que as pessoas assistindo ao jogo por meio de um canal licenciado”, acrescentou Andy Chatterley, fundador e diretor executivo da MUSO.

A Premier League já ligou um alerta ao saber que as emissoras não estarão dispostas a investir alto em direitos se os detentores do ativo não tomarem medidas drásticas para combater a pirataria. Na La Liga, por exemplo, estima-se uma perda de € 400 milhões por temporada devido a atuação de streaming ilegal.