Netflix, streaming e Twitch atraem uma nova geração de fãs para F1

Pesquisa da Nielsen mostra crescimento do interesse de jovens entre 16 e 35 anos pela categoria

março 27, 2021

A Fórmula 1 dará início a sua 72ª temporada neste domingo (28). O GP do Bahrein será a primeira das 23 etapas neste ano. Diferente de 2020, quando a competição ficou restrita a países da Europa e do Oriente Médio devido à pandemia de covid-19, desta vez o campeonato vai acontecer em outros continentes. A etapa do Brasil voltará a acontecer.

No ano passado, apesar de uma temporada atípica, a F1 registrou recordes de audiência na Tv, streaming e no eSports. Mesmo com quatro corridas a menos no calendário, a categoria ainda conseguiu registrar uma boa audiência média por prova, de cerca 87.4 milhões espectadores, menos de 4.5% em relação a 2019. A tendência é que os números de 2021 sejam melhores. Pelo menos a partir do aumento de fãs projetados para o atual ciclo.

De acordo com uma pesquisa da Nielsen, um bilhão de pessoas na faixa dos 16 a 69 anos assumirão interesse na F1 até abril de 2022. Segundo a empresa, mais de 73 milhões de novas pessoas (ou 20%) em dez dos principais mercados da categoria, como Brasil, China, França, Alemanha, Itália, Rússia, Coréia do Sul, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos, assumiram que passaram a acompanhar as provas. A Nielsen afirma que os novos fãs na faixa etária de 16 a 35 anos foram responsáveis ​​por 77% do crescimento do interesse nos mercados descritos acima, e que a análise dos números anuais mostrou que esta faixa etária foi responsável por 46% de todos os fãs de F1 em janeiro de 2021, contra 40% em janeiro de 2020. O bilhão projetado tem como base uma tendência de 1.1% de crescimento mensal agregado nesses mercados.

Um dos motivos apontados pelo estudo é o sucesso absoluto de ‘Drive to Survive’, da Netflix, que fez crescer o interesse pela categoria entre o público mais jovem. Além disso, a realização de um torneio virtual, o Virtual Grand Prix, que ocorreu quando as corridas foram suspensas, também contribuíram, impulsionado pelas presenças de nomes como Lando Norris, Charles Leclerc, Alex Albon e George Russell. Todos utilizaram a Twitch e YouTube para se conectar com os fãs no mesmo período.

O sucesso de ‘Drive to Survive’ e a exploração de novos mercados fez com que uma média de 2.7 milhões de jovens de 16 a 35 anos se interessassem pela Fórmula 1 mensalmente.

“A Fórmula 1 continua a se beneficiar de sua estratégia de expandir sua oferta de conteúdo, por meio de programação adicional de periféricos e contadores de histórias, que atrai o mercado de 16 a 35 anos. A grade atual de jovens pilotos em mídia social, como Lando Norris, está ajudando a alcançar novos consumidores por meio de plataformas como Twitch e YouTube. Ao adotar essas plataformas, bem como serviços OTT, como Netflix e sua série, a Fórmula 1 agora está bem posicionada para converter recém-chegados ao esporte em fãs de longa data e gerar níveis de interesse sem precedentes”, disse Tom McCormack, chefe dos detentores de direitos da Nielsen Sports.

“A pesquisa da Nielsen é importante para a compreensão do nosso esporte e de como os fãs estão se envolvendo com ele. O aumento no interesse que vimos é extremamente encorajador e reforça a F1 como uma das propriedades esportivas líderes globais. Em particular, o crescimento do interesse entre jovens de 16 a 35 anos mostra que o compromisso da F1 com programas digitais, sociais e de esportes está tendo um impacto tangível”, complementou Matt Roberts, diretor de pesquisa e análise da F1.