Indústria

Jogadoras da Seleção Brasileira lançam movimento em prol do futebol feminino

Formiga, Tamires e Bia Zaneratto propõem reflexão sobre a modalidade feminina ainda estar “parada no tempo”

16 jul, 2021

Qual era a moda feminina nos anos 1980? Como eram os aparelhos eletrônicos da época? Muitos talvez nem se lembram. Mas para Formiga, Tamires e Bia Zaneratto esse contexto tem outro significado. As jogadoras chamaram a atenção e geraram curiosidade nesta quinta-feira (14) ao embarcarem no aeroporto de Portland, nos Estados Unidos, rumo a mais um grande desafio em suas carreiras. Não apenas por todo o sucesso delas dentro dos gramados, mas principalmente pelo estilo retrô, com objetos daquele tempo.

Mas o ano é 2021 e as atletas têm uma explicação: elas querem dar luz ao movimento #presasnos80, nascido com o objetivo de chamar, de forma leve e bem humorada, a atenção para a importância do apoio ao futebol feminino, que ainda precisa avançar quando o assunto é torcida, visibilidade e investimento, por exemplo, principalmente quando comparado à modalidade masculina. Hoje, o futebol feminino recebe o mesmo aporte de investimento que os homens recebiam há 40 anos atrás.

“Eu nasci em 78, vivi bastante os anos 80 e conversando sobre coisas das décadas passadas com a Tamires e a Bia, a gente brincou que no futebol feminino muitas coisas ainda parecem estar paradas nessas décadas. Daí veio a ideia de levantar esse tema.”, afirma Formiga.

Para efeito de comparação, em 2021 os gastos totais de um time feminino giram em torno de R$ 100 mil, valor menor do que o investimento em um único jogador nos anos 1980. “Precisamos ter cada vez mais visibilidade, mais apoio… Mais atletas fazendo sucesso nas redes sociais, na TV e em programas esportivos. E a torcida pode nos ajudar nessa, pois tudo isso também ajuda a gerar mais investimento.”, explica Tamires.

“Esse é um dos momentos mais esperados da nossa carreira e entendemos como é importante pra nós e para outras meninas que jogam e são fãs do futebol. Precisamos dar o destaque que o futebol feminino merece”, completa Formiga.