A Copa do Mundo dos fanáticos

A característica compacta do Qatar vai oferecer aos fanáticos por futebol uma oportunidade única na história das Copas

junho 29, 2022
Thiago De Rose

Sócio da Engage Sports Ventures e Gerente de Ingressos na FIFA World Cup Qatar 2022

O Qatar é o menor país do mundo a sediar uma Copa do Mundo na história. Segundo a wikipedia, o país ocupa a posição #160 (de um total de 195 países) em extensão territorial. Porém, os pouco mais de 11 mil quilômetros quadrados do território Qatari parecem muito quando você está em Doha e consegue compreender in loco a distribuição dos 8 estádios que sediarão jogos da Copa.

Concentrados na costa leste, apenas 70km separam os dois estádios mais distantes (Al Bayt e Al Janoub). Doha, a capital, forma a única verdadeira metrópole do país, conectando-se naturalmente com as municipalidades de Al Khor e Al Wakra, onde estão os dois estádios acima citados. É como se a Copa inteira fosse disputada na “Grande Doha”.

Essa Copa com formato de Olimpíada dificilmente deve se repetir. Inclusive, a próxima (2026 no México, EUA e Canadá) promete ser a mais complicada da história em termos de logística para espectadores e stakeholders.

A característica compacta do Qatar vai oferecer aos fanáticos por futebol uma oportunidade única na história das Copas: assistir a todos os jogos possíveis nos estádios! Exceto os jogos da última rodada de fase de grupos que acontecem no mesmo horário, teoricamente é possível assistir a 56 dos 64 jogos da Copa do Mundo.

Esta chance de assistir a múltiplos jogos no mesmo dia pela primeira vez na história sempre foi um ativo presente nas campanhas de marketing do Qatar para a Copa. A maneira com que a tabela foi montada também facilita este deslocamento. Na fase de grupos, os estádios foram divididos em 2 clusters:

Cluster A: Al Bayt, Khalifa, Al Thumama, Ahmad Bin Ali

Cluster B: Lusail, Stadium 974, Education City, Al Janoub

Os clusters são usados em dias alternados. Por exemplo, no dia 21/11 os 4 jogos acontecem nos estádios do Cluster A, dia 22/11 no Cluster B e assim por diante. Essa divisão evita que estádios muito próximos sejam usados no mesmo dia (por ex. Al Bayt e Lusail ou Al Thumama e Al Janoub), assim evitando grandes aglomerações e cruzamento de fluxos. Apesar de cada um dos 4 estádios de um cluster estar em uma zona diferente da cidade, é bem possível sair de um jogo e chegar a tempo do próximo (ou pelo menos pouco depois do início), seja no estádio ou na Fan Fest.

Além disso, portadores de ingressos e do Hayya Card (FanID do Qatar) terão transporte gratuito em dias de jogos no metrô, trams e ônibus.

Dos 8 estádios, 5 são servidos por estação de metrô “na porta”: Khalifa (estação Sport City), Ahmad Bin Ali (Al Riffa – Mall of Qatar), Lusail (Lusail QNB), Stadium 974 (Ras Bu Abboud) e Education City (Education City). Os outros 3 (Al Bayt, Al Thumama e Al Janoub) serão servidos por shuttles gratuitos saindo das estações de metrô mais próximas a eles.

Falando sobre os estádios, 7 dos 8 foram construídos do zero. É claro que não há demanda na liga local para estádios nível Copa do Mundo, e para isso existem projetos de desmontagem parcial ou até completa para evitar que elefantes brancos dominem a paisagem de Doha. A média de público da QNB Stars League é de pouco mais de 1.000 pessoas por jogo e os jogos são disputados em estádios menores em Doha e nos arredores. Essa mescla de estádios antigos/pequenos com os novos da Copa transformou a paisagem da cidade. Não há maneira de fazer um trajeto de uns 15 minutos de carro sem ver pelo menos um estádio no caminho, Doha parece a nova Buenos Aires J

O único dos estádios da Copa que já existia é o Khalifa International, que é como se fosse o estádio nacional do Qatar, onde joga a seleção e onde a final da Amir Cup (Copa do Qatar) é disputada todos os anos. O estádio Ahmad Bin Ali foi construído no lugar do antigo estádio do Al Rayyan, o time mais popular do Qatar, e será usado constantemente após a Copa.

O Stadium 974 é o caso mais curioso: o estádio foi construído utilizando containers e será completamente desmontado após a Copa. Caso esteja pensando o por que do número 974, nada é por acaso! Foram utilizados 974 containers na construção, e este também é o número DDI do Qatar. A quem vai ao Qatar, recomendo tentar assistir a pelo menos um jogo neste estádio. É um dos mais interessantes por fora, e por dentro a proximidade do campo deve transformar em um caldeirão. O Brasil joga lá contra a Suíça.

Como praticamente todos os estádios foram construídos do zero, cada conceito e storytelling foi pensado para promover o Qatar e a Copa do Mundo. Estádios como Al Bayt, Lusail, Al Janoub e Al Thumama tem forte presença de elementos da cultura árabe na sua arquitetura. Os visitantes certamente vão se impressionar como cada estádio é diferente um do outro, e identificar seus traços presentes nas ruas, museus e atrações turísticas de Doha.

A Copa do Mundo do Qatar será uma celebração ao futebol. Apesar de suas peculiaridades, a compactação do torneio em torno de uma cidade e proximidade dos estadios transformará Doha na capital da bola durante 1 mês. Para os mais fanáticos, será a chance de respirar futebol 24 horas por dia. O ritmo frenético de jogos, concentração de torcidas de vários países, movimentação entre estádios, Fan Fest e outros eventos públicos será inesquecível e marcará a Copa do Qatar como possivelmente a Copa mais “futebol” de todos os tempos!

Convido a todos a acessarem este link e conhecerem mais sobre os estádios, as histórias por trás de suas construções e os planos para o futuro.