Patrocínio

Com metade dos clubes da Série A, casas de apostas ‘invadem’ Brasileirão

Desde o início do ano, acordos envolvendo empresas do setor deram um “boom” no futebol do país

15 jul, 2019

Mesmo ainda em fase de legalização no Brasil, as casas de apostas esportivas já fecharam com metade dos clubes do Campeonato Brasileiro da Série A. Desde o início do ano, o patrocínio envolvendo empresas de apostas on-line deu um boom no país. Os casos mais recentes são os de Flamengo e Fluminense.




O Fla fechou com a Sportsbet.io até o final do ano, enquanto o Tricolor das Laranjeiras ostentará a marca KB88, da Kashbet, nos ombros da camisa. Até aqui, Atlético-MG (188bet), Bahia (CasadeApostas), Botafogo (CasadeApostas), Corinthians (MarjoSports), Cruzeiro (CasadeApostas), Santos (CasadeApostas), Fortaleza (NetBet) e Vasco (NetBet) já estão com contratos em andamento. Exceção feita ao Galo (e agora, ao Flamengo), os demais envolvem exposição no uniforme.

A parceria do time rubro-negro contempla inserções nas redes sociais, iniciativas dentro do programa de sócio-torcedor e visibilidade nas placas de publicidade no Maracanã. Além disso, seguindo o modelo praticado com o Banco BS2, patrocinador máster do Flamengo, o patrocínio prevê um valor fixo e outro variável de acordo com o engajamento da torcida e da adesão ao site.

Na Sportsbet.io, o Flamengo se juntará ao Watford, da Inglaterra, que acaba de fechar contrato com a empresa, além dos embaixadores Moisés (Palmeiras) e Denilson. O Sportsbet.io é considerado o maior site de apostas esportivas em Bitcoin e outras criptomoedas, e foi fundado em 2016.

Já a KB88.com, que estreia no uniforme do Fluminense, ainda não está em funcionamento no Brasil e aguarda regulamentação. A marca é a única entre todos os patrocinadores do setor que não permitem a pessoas no território nacional a utilizarem sua plataforma. Ela enxerga o Flu como o parceiro ideal para expandir sua presença na América Latina e também na Ásia.

“Essa é uma parceria que reforça a marca Fluminense internacionalmente. É importante ter visibilidade fora do nosso continente, devolver ao clube um status de reconhecimento. Além disso, comercialmente também é importante para nós e traz o Flu de volta ao interesse do mercado”, disse Mário Bittencourt, presidente tricolor.

Como se vê, a nova lei virou um passo para a legalização de apostas no Brasil e já começa a provocar a entrada de um “novo” dinheiro para o mercado do futebol. No entanto, ao menos por enquanto, elas não podem abrir uma figura jurídica no país.