Futebol

Globo suspende pagamentos e clubes perdem última fonte de receitas

A emissora não dará o montante referente aos direitos dos estaduais a partir de abril

2 abr, 2020

Sem transmissões de jogos em suas grades, os canais e plataformas de streaming resolveram agir. O MKTEsportivo já destacou que DAZN, Canal + e BeIn decidiram paralisar seus pagamentos enquanto o esporte não voltar ao seu ritmo normal. Agora, chegou a vez do mercado brasileiro sentir o baque por meio da Globo.

A emissora carioca decidiu suspender os pagamentos aos clubes pelos direitos dos estaduais a partir de abril. A suspensão atingirá times de praticamente todas as regiões do país, as exceções são os torneios do Rio Grande do Sul e de Minas Gerais, já que os valores foram pagos antecipadamente. Os pagamentos devem voltar ao normal apenas quando ocorrer uma decisão sobre o calendário, algo que não da para prever neste momento.

Além de ter de renegociar com os patrocinadores, pela falta de entrega comercial sem os jogos e o noticiário sobre os clubes nos programas de jornalismo, tem ocorrido uma redução na assinatura dos pacotes de pay-per-view, que estão sem jogos.

O UOL apurou que diante do atual cenário, representantes de três clubes paulistas afirmaram que existe uma disposição ao diálogo para planejar um retorno controlado aos gramados.

Já de acordo com o blog Lei em Campo, do jornalista Andrei Kampff, a TV Globo já comunicou a Federação Paulista de Futebol que não irá pagar neste momento a última parte do acordo referente ao Estadual.

“Em vista da suspensão do Campeonato Paulista de 2020 (“Campeonato”), por prazo indeterminado, em razão da pandemia de COVID-19, informamos que como medida cautelar estamos suspendendo o pagamento da última parcela referente ao Campeonato, prevista para o dia 05/04/2020, de acordo com as cláusulas dos Contratos, enquanto perdurar a atual incerteza quanto aos impactos da pandemia na plena ou efetiva continuidade do Campeonato”, destaca o trecho do documento enviado pela TV Globo.

Trata-se de um impacto em uma das últimas fontes de receitas dos clubes, que já sofrem com a ausência de bilheteria, a suspensão do pagamento por parte de patrocinadores e afluxo de sócios-torcedores dos programas. Ceará, Grêmio, Fortaleza e Atlético-MG já reduziram o salário dos seus jogadores, medida que deve ganhar novos adeptos em breve.