Sucesso esportivo: títulos e façanhas das equipes Red Bull em 2023

Disputando a elite de diferentes modalidades, a Red Bull teve mais uma temporada de destaque, com títulos, vices e exibições de alta qualidade

fevereiro 8, 2024

Não é novidade para ninguém o sucesso das equipes comandadas pela marca de bebidas energéticas Red Bull ao redor do mundo. Presente de forma constante no universo esportivo há pelo menos duas décadas, a empresa austríaca é conhecida por criar times competitivos, apoiar atletas de ponta, protagonizar façanhas e quebrar recordes por onde passa.

Em 2023, isso não foi diferente. Disputando a elite de diferentes modalidades, a Red Bull teve mais uma temporada de destaque, com títulos, vices e exibições de alta qualidade que deixaram um recado claro para todos os seus adversários: a companhia não está para brincadeira e nem mede esforços para triunfar, seja nas pistas, nos campos, quadras ou nos mares.

Esporte a motor

Desde 2005 integrando o circo da Fórmula 1, a Red Bull Racing possui seis títulos de pilotos e outros cinco de construtores. Depois da hegemonia alcançada com o alemão Sebastian Vettel entre 2010 e 2013, a equipe austríaca atravessa uma nova era de domínio, desta vez sob a liderança do holandês Max Verstappen.

A perfeita união entre carro e piloto é acompanhada por um grupo de engenheiros e estrategistas de primeira linha, além do chefão Christian Horner. Se não bastasse, o time ainda conta com alguns dos maiores patrocínios de todo o grid, como a gigante de tecnologia Oracle, a poderosa plataforma de jogos PokerStars, a rede global de hotéis e restaurantes Hard Rock, a montadora japonesa Honda e outros nomes de peso.

Tais parcerias garantem à RBR não apenas poderio financeiro, mas também o fornecimento de recursos tecnológicos e matéria-prima para desenvolvimento de carros e maior alcance de mídia. Através de ações estratégicas, a marca tem ainda conquistado novos públicos, como por exemplo nos cassinos online com séries de vídeos especiais, além de jogos e eventos temáticos com a sua própria marca.

Para o GP de Las Vegas, por exemplo, o PokerStars lançou uma grande ação promocional. Através do Red Spade Pass, usuários brasileiros participaram de um torneio virtual de poker disputando uma viagem com todas as despesas pagas para acompanhar a corrida na Capital dos Jogos, em um espaço VIP e com atividades exclusivas.

Com tudo isso acontecendo em seu entorno, a RBR atingiu em 2023 marcas impressionantes nas pistas, como as 21 vitórias em 22 provas disputadas. O aproveitamento de 95,45% foi o maior da história da F1, superando os 93,75% (15 triunfos em 16 possíveis) da McLaren em 1988. Tricampeão mundial, Verstappen venceu 19 vezes, enquanto o mexicano Sergio Perez levou as outras duas.

Ainda no esporte a motor, a Red Bull também alcançou em 2023 o vice-campeonato de construtores da MotoGP. Apesar de o título de pilotos ter ficado com o italiano Francesco Bagnaia, da Ducati Lenovo Team, os austríacos terminaram o ano como a segunda melhor equipe do campeonato, à frente das poderosas marcas japonesas Yamaha e Honda.

Futebol

No esporte mais popular do planeta, a Red Bull também comemorou títulos em 2023. Hoje o mais conhecido e principal time da franquia, o RB Leipzig se consagrou bicampeão da Copa da Alemanha, depois de superar o Eintracht Frankfurt por 2 a 0 na decisão. Neste ano também, a equipe faturou a Supercopa local ao derrotar o poderoso Bayern de Munique por 3 a 0 em jogo único.

Na Áustria, o RB Salzburg levantou pela 17ª vez o troféu da Liga nacional, sendo o 14º sob o comando da Red Bull, desde 2005. O time é o terceiro maior campeão do país, atrás apenas do Rapid Viena (32) e Austria Viena (24). No Brasil, o RB Bragantino não faturou nenhum caneco em 2023, mas tem feito um Brasileirão de respeito, brigando inclusive pelo título até as últimas rodadas.

Surfe

Além de brilhar com suas equipes próprias, a Red Bull também tem seus representantes de peso nos esportes individuais. No circuito mundial masculino de surfe, três de seus atletas chegaram às finais e figuraram no top 5 da temporada 2023: o norte-americano Griffin Colapinto (terceiro colocado), o brasileiro João Chianca (quarto) e o australiano Jack Robinson (quinto). O título ficou com o paulista Filipe Toledo, que comemorou o bicampeonato.

No feminino, foram quatro surfistas entre as cinco melhores do ano, dentre elas a campeã Caroline Marks, dos Estados Unidos, e a vice Carissa Moore, do Havaí. Além delas, a também estadunidense Caitlin Simmers (quarta) e a australiana Molly Picklum (quinta) levaram a Red Bull ao topo da WSL.

Tênis

Já nas quadras de tênis, um dos principais nomes apoiados pela marca austríaca é a cazaque Elena Rybakina, número 4 do mundo nas simples. Campeã de Wimbledon em 2022, ela faturou em 2023 o título do WTA 1000 de Indian Wells e foi finalista do Australian Open e do Aberto de Miami. Ela também foi vice-campeã de duplas em Adelaide ao lado da russa Anastasia Pavlyuchenkova.

Compartilhe: